segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Subimos?


À sombra da figueira também havia vida
Desfiavam-se momentos que foram tempo
Bebia-se em pequenos goles,
na soleira da juventude
vinho novo, ainda com travo a rosmaninho
Faltava porventura subir alguns degraus
O sol nem se havia ainda escondido
Ao largo o som dos grilos e estorninhos
Marcava o horizonte e os destinos
Valeria a pena esgotar as forças,
fazer um intervalo, suspender o paraíso?
Não, seguimos a conversa
que importa quão íngreme é a escada
se de mãos dadas a havemos de percorrer?

4 comentários:

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Deveras interessante!
Abraço

© Piedade Araújo Sol disse...

memórias e partilhas.
quando o subir custa mas nem por isso deixamos de fazer o que gostamos.
beijinhos
:)

Mar Arável disse...

Folha ante folha

Eu herético disse...

caminhos da memória partilhados, íngremes que sejam!
gostei muito do poema

abraço

reabri os comentários, espero continuar a merecer a tua presença amiga

grato